História do Rodeio

A história da cidade se confunde com a história do rodeio em Barretos

A história de Barretos se confunde com a do rodeio brasileiro. Até 1955, Barretos era uma pacata cidade que tinha na pecuária sua principal atividade econômica. Passagem obrigatória dos “corredores boiadeiros”, como eram conhecidas as vias de transporte de gado entre um estado e outro, Barretos era sede também do Frigorífico Anglo, instalado em 1913 e de propriedade da família real inglesa, suas instalações lembram uma autêntica vila inglesa. Era na época o maior da América Latina. Mas eram os peões das comitivas, que reunidos para descansar, acabavam criando mil maneiras para se divertirem. E, como não podia deixar de ser, nestes encontros tentavam mostrar suas habilidades na lida com o gado. Nessa época, era frequente em Barretos a vinda de dançarinas de cabarés franceses para entreter fazendeiros e os peões de comitivas.

Em um sábado de 1947, na quermesse realizada pela Prefeitura Municipal de Barretos, na praça central da cidade, acontece o primeiro rodeio do país, realizado dentro de um cercado com arquibancadas.

E foi assim, que em 1955, nasceu numa mesa de bar, OS INDEPENDENTES. Um grupo de rapazes solteiros e auto suficientes, como era a regra, ligados a agropecuária local, teve a ideia de promover festas inspiradas na lida das fazendas, com o objetivo de arrecadar fundos para as entidades assistenciais da região. Um ano depois, em 1956, foi lançada a 1ª Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos. Sob a lona de um velho circo, surgiu o modelo do evento rural de maior sucesso do País atualmente. Já na primeira festa, a principal atração foi o rodeio. E os mesmos peões que passavam meses viajando pelos estados brasileiros, agora eram estrelas da festa do peão de Barretos.

Ninguém poderia imaginar que a partir daquele ano a história dos peões de boiadeiros mudaria para sempre, e que o destino de Barretos seria o de se tornar a capital do rodeio brasileiro. Tudo que ali era realizado servia como modelo para outras cidades que também começavam a promover suas festas.

O resultado foi que na década de 60 o número de eventos ligados ao rodeio no Brasil havia crescido muito, principalmente no estado de São Paulo. Muitos peões acabaram se transformando em competidores e corriam de uma festa para outra atrás dos prêmios. Mas era em Barretos que todos tentavam a “sorte grande”. A cada ano a Festa de Barretos crescia. Em 1960, já era conhecida em todo o país. O Festival do Folclore de Barretos contava com a participação de países da América do Sul como Argentina, Uruguai, Paraguai, assim como várias regiões do Brasil.

A fundação de Barretos deu-se no dia 25 de agosto de 1.854, entretanto a sua origem remota o ano de 1.831, quando chegaram nesta região os irmãos Francisco José Barreto e Antônio Barreto. Chico Barreto nasceu na cidade de São José da Campanha, estado de Minas Gerais. Mudou-se de sua terra natal e fixou residência em Caldas velhas, também no estado de Minas. Lá se casou com Ana Rosa. Do casamento nasceram oito filhos, naquele ano de 1831, Francisco José Barreto e seu irmão, acompanhados de toda a sua família, decidiram vir para o norte do Estado de São Paulo e tomar posse de uma gleba de terras à margem esquerda, entre a confluência dos rios Grande e Parda. Cinco dos filhos de Francisco José Barreto já estavam casados. O local escolhido passou-se a denominar Fazenda Fortaleza. A região pertencia ao município de Araraquara e chamava-se Sertão de São Bento de Araraquara. Algum tempo depois da chegada de Chico Barreto chegou Simão Antônio Marques e sua família que também era da cidade de Caldas Velhas. A sua propriedade chamava-se fazenda Monte Alegre. No ano de 1.845 as duas famílias pioneiras, os Barreto e os Marques, instituíram o povoado delimitando uma área comum às duas fazendas, doada à igreja, recebendo o nome de “patrimônio do Espírito Santo” , cresceu e virou a “Villa dos Barreto”, depois “Villa Barreto” e finalmente “Barretos”. No dia 25 de agosto de 1.854, seis anos após a morte de Francisco José Barreto e de dois anos após a morte de sua mulher Ana Rosa, seus filhos, nora e genros, seus filhos doaram sessenta e dois alqueires da Fazenda Fortaleza. Da mesma forma Simão Antônio Marques, sua esposa e irmãos, doaram 20 alqueires de terra da Fazenda Monte Alegre. Os dois lotes de terra totalizando oitenta e dois alqueires foram doados ao Divino Espírito Santo, afim de que se se constitui uma capela para que ao redor nascesse um povoado. A sede da Fazenda Fortaleza, onde morava a família de Chico Barreto, situava-se na parte sul da cidade, nas imediações das atuais ruas 6 e 8 com as avenidas 13 e 11 no quarteirão onde hoje encontra-se o marco histórico da cidade e o Hospital Psiquiátrico e Asilo Dr. Mariano Dias.

A cidade foi considerada a “Capital da Pecuária Nacional” e é conhecida atualmente como a “Capital do Country Brasileiro”. A origem da “Capital da pecuária nacional” devem-se à excelência de suas pastagens, surgida por um acidente da natureza, através de uma forte geada no mês de junho de 1.870, “queimando” por conta da intensidade do frio a fechada mata existente.

Após a geada, no dia 24 de agosto do mesmo ano, dia de São Bartolomeu, a vegetação ressequida foi devorada por um incêndio de grandes porções acabando com a mata fechada existente. Com a chegada da primavera e das chuvas, surgiram imensas pastagens naturais, estabelecendo excepcionais condições para a engorda de gado. Fazendas foram estabelecidas e grande contingente foi atraído pelas possibilidades de ganhos que a atividade pecuária passou a propiciar na região. A melhoria nas condições de transporte permitiu a ocupação acelerada do território e a consolidação de uma rede urbana que continuamente atraia imigrantes.

Novas atividades agrícolas foram adquirindo importância durante este processo. Dentre elas destaca-se a heveacultura e a citricultura, que cresceu na região durante as décadas de 60 e 70. Nesse período assistiu-se também a um intenso processo de modernização da agricultura, expandindo-se a produção mecanizada de grãos, especialmente de soja e cana.  Nos anos 80 o cultivo de laranja assumiu grande importância e passou a disputar com a cana-de-açúcar a posição de principal produto agrícola regional.

Cidade festeira por natureza, Barretos ainda guarda muitos traços de sua cultura caipira, sertaneja e interiorana. O rico folclore desenvolvido na região tem característica peculiar. A própria fala do Barretense traz um sotaque caboclo, que acabou invadindo a urbanidade aparente. Tradições presentes nas folias de Reis, grupo folclórico, músicas típicas, comida feita no fogão de lenha. Uma terra onde a tradição anda de braços dados com a vanguarda.

Atualmente Barretos é conhecida internacionalmente por sediar a Festa do Peão de Boiadeiro, a qual é considerada como o maior festival de rodeio e de música sertaneja do País. O evento tem hoje grande importância para a dinâmica da economia do município, pois tem permitido o crescimento dos setores ligados ao turismo e à produção de artigos country, com enorme efeito multiplicador em termos de geração de renda e emprego.

Com os seus 130.000 habitantes (incluso população flutuante) Barretos é sede da 13º Região administrativa do Estado de São Paulo. A cidade hoje possui centro Universitário, como a: UNIFEB, o INSTITUTO FEDERAL, LICEUTEC FACULDADES FISO/BARRETOS,  FACISB MEDICINA, ETEC BARRETOS,  SENAC Barretos. Há seis emissoras de rádio, dois jornais diários, uma emissora de televisão, onze agências bancárias, dentre as Cooperativas de crédito de Barretos: Coorporativa Sicredi, SICOB, Unimais, Credicitru, E as agências bancarias:Bradesco (2 Unidades), Santander (2 Unidades), Itau card (3 Unidades), C.E.F (2 Unidades), e Brasil (2 Unidades)

Com uma economia ainda baseada nas atividades ligadas a agropecuária, em um excelente setor de comércio e serviços, Barretos expande o seu parque industrial, com a criação de um polo tecnológico, e investe no desenvolvimento do turismo, como fatores de geração de empregos, recursos e progresso. Barretos possui um referencial extremamente importante na área da saúde, o hospital de câncer. 

Em 27 de novembro de 1967, foi instituída a Fundação Pio XII, por Dr. Paulo Prata e Dra. Scylla Duarte Prata, Dr. Miguel Gonçalves e Dr. Domingos Boldrini. No ano de 1989, Henrique Prata, filho do casal de médicos fundadores do hospital, abraça a ideia do pai para dar continuidade aos projetos, promover o crescimento da instituição e responder as crescentes necessidades. É uma instituição de saúde filantrópica brasileira especializada no tratamento e prevenção de câncer, é reconhecida no Brasil e no mundo como referência na atuação do campo da oncologia, com elevado padrões de qualidade e de humanização em categorias como: serviço, infraestrutura, limpeza e qualidade do atendimento O hospital também está presente com unidades nas cidades de Jales (SP), Porto Velho (RO), Juazeiro (BA), Campo Grande (MS), Fernandópolis (SP), São Paulo (SP) e Campinas (SP). São mais de 400 (quatrocentos) médicos que trabalham em período integral com dedicação exclusiva e tratamento personalizado, fazendo uma média de 4.100 atendimentos por dia em 18 especialidades, 100% pelo sistema único de saúde (SUS) O hospital vem ganhando grandes proporções com ajuda da comunidade, de artistas, da iniciativa privada e com a participação financeira governamental. Uma maneira que o hospital encontrou de homenagear estas pessoas que contribuem com esta causa é colocar nos pavilhões os nomes dos artistas.

Em novembro de 2017, a instituição assumiu como nome o apelido pelo qual já era conhecido entre seus pacientes, familiares, médicos e parceiros, passando a se chamar “Hospital de Amor”?.

Toda a história da cidade de Barretos somada à história da maior festa de rodeio do Brasil  que acontece em Barretos, faz dessa cidade um excelente local para investimentos imobiliários, e é por isso, que gostaríamos de apresentar à você, caro leitor, o melhor empreendimento imobiliário do momento em Barretos, o Barreto’s Residence, que está sendo construído ao lado do Hospital de amor e será uma referência em moradia e/ou estadia para médicos, enfermeiros e pacientes do hospital.

Um edifício com design e arquitetura moderna, localizado em uma região com alta valorização e localização privilegiada, a 50 metros do hospital de amor, Barretos Residence está perto de tudo, e seus residentes usufruirão de segurança, praticidade, conforto e qualidade de vida.

Quer saber mais sobre o Barreto’s Residence? Entre em contato conosco através da Dilla Campos, uma de nossas parceiras na divulgação desse espetáculo de empreendimento, envie um e-mail para

vivermagazine@gmail.com ou ligue para (770) 953-4250. Temos certeza de que você vai se encantar por esse lindo projeto, pois as possibilidades de ver o seu investimento render à olhos vistos são reais e comprovadas. Junte-se a nós, venha já adquirir o seu apartamento no Barreto’s Residence! 

Related posts