Home Autos C-HR mais rápido que um McLaren 650S Spyder

C-HR mais rápido que um McLaren 650S Spyder

15
0

A Toyota quis levar mais além o desafio da velocidade. Apresenta agora um novo desportivo, com base no SUV C-HR. Capaz, diz, de bater o McLaren 650S Spyder, o Porsche 911 GT3 e o Nissan GT-R Nismo.

Para conseguir este feito, a marca nipónica teve de efectuar várias alterações. A começar pelo propulsor, que recebeu um sistema de turbos Garret específico, além de uma caixa de velocidades desportiva de apenas cinco relações e um diferencial.

Mas porque a intenção dos responsáveis da Toyota não era que este C-HR fosse rápido apenas em linha recta, também o chassi foi alvo de melhoramentos, tendo sido evoluído para uma utilização em circuito. O sistema de travagem de fábrica também foi trocado por uma solução Brembo de competição e os pneus de origem deram lugar a slicks de pista.

No domínio da aerodinâmica, e conforme as fotos bem documentam, o modelo recebeu uma série de soluções, das quais se destaca a introdução de uma enorme asa traseira. Ao mesmo tempo que, para aliviar o peso, no habitáculo foram retirados alguns dos equipamentos que tradicionalmente vêm de série nas versões à venda nos concessionários.

Concretizadas todas estas modificações, a Toyota garante que este C-HR muito especial conseguiu ser mais rápido, nos testes já realizados no circuito norte-americano de Willow Springs, que um McLaren 650S Spyder, um Porsche 911 GT3 e que um Nissan GT-R Nismo. Feito que, no entanto, não impede a marca nipónica de ambicionar mais, prometendo desde já continuar a desenvolver este protótipo, submetendo-o a novos testes. Até como forma de dar corpo à ambição de não fazer um protótipo apenas de exposição, mas também um veículo capaz de proporcionar um enorme divertimento na condução, além de com uma mais ampla faixa de utilização.

Mas se este C-HR em concreto dificilmente conhecerá, um dia, uma versão de produção, corre por aí que a Toyota prepara já uma outra variante, mais potente deste seu crossover compacto. Resta saber para quando.